quarta-feira, 4 de março de 2009

Zanzoti não! É covardia.

Manoel Zanzoti, conceituado Diretor de Criação das maiores agências brasileiras, lembra como surgiu a simpática baratinha do Rodox inspiradora do texto de abertura do Cinema Curto, aí ao lado.

Zanzoti - o criador
Como seria a voz de uma barata temendo pela vida, se ela falasse?
Eu tinha acabado de fazer um roteiro para o cliente Rodox e decidi fazer uma animação. Mas essa animação deveria ser diferente do que se fazia na época.
Estava empolgado. A idéia foi aprovada pelo Livio Rangan, que era o cliente, e pelo Licínio de Almeida, que era o diretor de criação da Rhodia. Eu tinha voltado de Barcelona. Os quadros do Miró não saíam da minha cabeça. Foi assim que eu imaginei a perrsonagem “Baratinha”.

Miró - a inspiração
Uma personagem com desenho solto, borrões a cada movimento do desenho.
Era o ano de 1972 e eu trabalhava na Standard Propaganda, hoje Ogilvy.
Chamei o Walbercy da Start Filmes e fiz um layout rápido do que eu estava pensando.
O Walbercy vibrou. E o resultado ficou fantástico e, para a época, muito ousado.
Eu estava entusiasmado. Toda vez que contava a idéia para alguém, o Jeferson, um diretor de arte que sentava ao lado da minha sala, ficava imitando a voz de uma baratinha mole e entorpecida.
Depois de quase duas semanas, eu estava convencido: a voz da “Baratinha” era a do Jeferson. E assim nasceu a “Baratinha do Rodox”.
Foi premiada no Festival de Veneza. Deu um grande resultado de vendas e lembrança, apesar de algumas pessoas sentirem pena dela.

A criatura

10 comentários:

  1. Zanzoti, vim apenas para o velho e manjado ritual de puxa-saco. Considero você um dos grandes responsáveis pela decisão irresponsável que tive um dia de entrar para a publicidade. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Que esse meu primo é bom de bola eu já sabia. Lamento que não tenham divulgado isso antes.
    Adauto Zanzotti

    ResponderExcluir
  3. Sergio Gonçalves4 de março de 2009 20:04

    Mané é um dos monumentos da propaganda desse país. Se esse fosse um país sério ( com uma propaganda séria), ninguém poderia ser admitido em qualquer departamento de criação sem listar os nomes de pelo menos 5 dos maiores nomes desse negócio. E o nome Manoel Zanzoti seria obrigatório nessa lista.

    ResponderExcluir
  4. Quando era pequenininha eu curtia ver com ele os anuários de propaganda e assistir na TV criações como essa da “Baratinha”. Lembro como se fosse hoje...Fico contente por esse reconhecimento. Sou fã do meu pai!

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Sensacional!

    O que falta hoje em dia é a criatividade e a originalidade que profissionais como ele tem.
    Gostei tanto que comecei a pesquisar sobre ele e descobri coisas interessantíssimas! Aconselho a todos desta área que façam o mesmo.

    Sou estudante de publicidade e espero um dia consegui fazer o mesmo. O dia a dia da propaganda é complicado, muitas vezes desanimador mas são pessoas como ele que nos fazem relembrar por que escolhemos ser "criativos da publicidade".

    Parabéns!

    Please!
    Pessoal do cinema, pleasee postem mais trabalhos dele !

    ResponderExcluir
  7. Mané,!!Nao sabia que essa propaganda era dele!! Fez parte da minha vida, nunca mais tive coragem de matar barata...
    Mané arrasa!! Faz história na propaganda brasileira!!

    ResponderExcluir
  8. Mané,

    Esta propaganda faz parte da minha infância. É a unica baratinha que eu adoro!

    Parabéns.

    ResponderExcluir
  9. Nossa,
    essa propagando era mto boa mesmo, eu sempre pensei:''quem fez isso deve ser um genio!!''
    agora eu sei
    mto legal mesmo, parabens zanzotti
    vc merece varios premio mesmo,
    abracos

    ResponderExcluir